Voltar

Arte de KissxSis

13/07/2020

1. Introdução

KissxSis, mangá seinen criado por Ditama Bow, lançado em dezembro de 2005, foi, sem dúvidas, uma obra aclamada pelo público, que conseguiu cativar à todos, mas como alcançou tamanha beleza? É isso que iremos abordar nesta publicação, A Arte de KissxSis.

Esta publição é puramente factual, deixando as opiniões para o leitor questionar-se.

Figura 1: Capa de DVD de KissxSis.

2. O ecchi

Ecchi significa ”obsceno”, usado nos ocidente para se refenciar à obras eróticas, mas não explícitas (diferente de hentai, criado exclusivamente para relações sexuais explícitas).

O ecchi é a base de KissxSis e seu bom uso foi, entre outras razões, a causa do sucesso. O que diferencia de várias outras obras que utilizam do mesmo artifício?

2.1. ”Quase hentai”

Retomando a definição de ecchi, KissxSis leva ela ao limite, com cenas altamente explícitas, com apenas os mamilos censurados (apagados, na realidade),e nunca mostrando o pênis de Keita, o protagonista, nem havendo penetração propriamente dita.

Isso, claro, é uma grande vantagem em relação à outros animes/mangás, que fazem censuras gravíssimas, como colocar sutiãs, cabelos, e outros objetos obstruindo a visão, algo frustrante que leva ao desinteresse.

Figura 2: Exemplo de ecchi em KissxSis.

2.2. Constância

Outro fator vital de KissxSis, é a constância de cenas eróticas, algo não tão comum. Normalmente, constumam espaçar cada evento, com apenas ecchisleves ou falas eróticas ocasionalmente, mas o evento principal é uma vez a cada3 episódios.

KissxSis diferencia-se, com seus ecchis agressivos quase todas as cenas, levando à uma experiência mais interessante.

3. O fetiche e polêmica

Fetiche, a fantasia sexual, é bastante diverso em KissxSis. Exemplos como lolicon (demonstrado na Mikazuki), o incesto (com as irmãs Ako e Riko), entre outros, notavelmente, o omorashi, fetiche que o autor, compartilha.

Com isso, a obra pode ser aproveitada por um público diverso, aumentando o número de fãs, e também a diversão, visto que um fetiche é muito mais aproveitável que uma simples cena erótica convencional.

Figura 3: Omorashi é o fetiche em
ver alguém segurando ou mijo
, ou se mijando.

Ditama Bow tem alto conhecimento nessa cultura, considerada por alguns ”estranha”, dos fetiches. Muita de publicações tiveram o Yuri, o lolicon, e oomorashi. Inegavelmente, ele é um mestre em obras eróticas, por isso, após anos de conhecimento, KissxSis saiu essa arte que todos conhecemos.

Ele conseguiu quebrar muitas barreiras e preconceitos. Tanto mangá como anime sempre sofreu muito ódio de conservadores, tolos e ignorantes, mas conseguiu sobreviver. KissxSis representa o avanço na mentalidade da sociedade, e o contraste com pessoas atrasadas que ainda são contra.

Mesmo com todo o ódio, inegavelmente é uma obra linda que deve ser apreciada.

4. Enredo

Uma questão importante, é a maestria do enredo em KissxSis. Ele não enche com histórias desnecessárias, drama chato, ou clichê ruim. Ele aproveita cada um desses termos para se encaixar na obra perfeitamente, sem se tornar chato.

4.1. Drama

O ponto mais importante. KissXSis não inclui nenhum drama. O mais perto disso, é no seu primeiro episódio, em que Ako e Riko ficam triste pela rejeição de Keita. O genial é que essa cena de poucos minutos é rapidamente atropelada por uma comédia e ecchi, antes que se torne algo incomodante na hora de ver.

Muitos animes forçam esse drama desnecessário, e demoram muito até reconstruir, tornando algo supostamente engraçado, em algo entediante.

4.2. Clichê

Ditama Bow sabe utilizar dos melhores clichês. Ele não escolheu em nenhum momento o ”cara gosta de uma mulher e namora ela no último episódio,e o harém fica triste”. Ele utiliza da liberdade de sexo com qualquer personagem do harém, sem nenhuma ficar triste com alguma ”traição”, apenas raiva, seguida rapidamente de felicidade. Saber ter essa liberdade com o personagem principal, ao invés de ficar preso apenas uma personagem, torna KissXSis mais aproveitavel. Ninguém se frustra com a escolha ”errada” da garota final, todas são bem aproveitadas.

4.3. História

Cada episódio é individual, separado dos demais. A história não se extende em mais de um episódio, porém, sem perder a linearidade. A vantagem disso, é não haver nenhuma ansiedade para ver ”o que acontece no final”, igual à dominante parte das obras mangá/anime.

Figura 4: Ako e Riko chorando

5. Conclusão

Criticado por uns, aclamado por outros, KissXSis se mostra uma obra de arte que apenas ignorantes não gostam. Seus vários elementos genialmente estruturados tornam-o especial e superior aos demais animes. Talvez um dia todos compreendam a genialidade, por isso, criei esse artigo. Compartilhe o conhecimento com seus amigos, faça-o assistir.

Fontes